Museu Xul Solar – Buenos Aires

Localizado no bairro de Palermo, em Buenos Aires, o Museu Xul Solar não é tão conhecido pelos turistas mas é de grande relevância e importância para a arte e arquitetura. De fora se vê um pequeno museu de arquitetura eclética…pero…quando se entra a visão é completamente diferente.
 


O museu foi aberto em 1993 na antiga casa do artista Oscar Agustín Alejandro Schultz Solari (1887-1963). Este artista foi um expoente na pintura surrealista Latino-americana, mas não só isso, participou da renovação estética promovida pelo grupo editor do jornal Martin Ferro (1992-1997). Não foi um artista comum, na verdade foi muito mais que um artista, foi sim um questionador e um curioso incansável: pensou e criou novas maneiras de tocar instrumentos, um novo tipo de alfabeto e língua, novos tipos de jogos de tabuleiro, repensou a astrologia, entre tantas outras coisas.


Adotou o pseudônimo de Xul Solar que teria alguns significados: a fonética dos seus dois últimos sobrenomes (Schultz Solari) e, por se tratar de um homem muito místico e estudioso da Cabala, I Ching, da filosofia e de religiões do Antigo Oriente, esse pseudônimo teria sido escolhido por que XUL escrito ao contrário formaria a palavra LUX que em latim significa LUZ, ou seja, o nome signicaria LUZ SOLAR.



Quando o Arq. Pablo T. Bietiá foi chamado para a readequação da casa em museu, decidiu partir do estudo das obras de Xul Solar para compor o projeto de arquitetura. Por se tratar de um edifício antigo, a intervenção foi feita em concreto aparente (se diferenciando do existente), com paines dividindo os ambientes, seguindo as composições geométricas das pinturas do artista, o que fez o museu se relacionar diretamente com as obras expostas, ao mesmo tempo em que é possível notar o que é a intervenção arquitetônica e o que a antiga casa. Essa obra ficou como semifinalista ao premio Mies van der Rohe em 1998 e em 2003 recebeu o Premio Década 2003 da Universidade de Palermo e Fundaçao Oscar Tusquets de Barcelona.



O Museu Xul Solar, definitivamente, merece uma visita quando houver a oportunidade de ir a Buenos Aires, de preferência, com a visita guiada que é gratuita e muito informativa. Ali, alem de presenciar uma boa arquitetura, será possível entender e conhecer um pouco mais sobre a vida e a obra de Xul Solar que foi descrito por Jorge Luis Borges como: “Hombre versado en todas las disciplinas, curioso de todos los arcanos, padre de escrituras, de lenguajes, de utopías, de mitologías, huésped de infiernos y de cielos, autor panajedrecista y astrólogo perfecto en la indulgente ironía y en la nerosa amistad, Xul Solar es uno de los acontecimientos más singulares de nuestra época. Hay mentes que profesan la probidad, otras, la indiscriminada abundancia; la invención caudalosa de Xul Solar no excluye el honesto rigor. Sus pinturas son documentos del mundo ultraterreno, del mundo metafísico en que los dioses toman las formas de la imaginación que los sueña. La apasionada arquitectura, los colores felices, los muchos pormenores circunstanciales, los laberintos, los homúnculos y los ángeles inolvidablemente definen este arte delicado y monumnetal.” 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s