A revitalização ambiental do Emscher Park – Alemanha

Uma das regiões mais poluídas e ambientalmente devastada do mundo, o distrito de Ruhr renasceu. Com a “Exposição Internacional de Construção (IBA) em Emscher Park” iniciado em 1989, os marcos industriais da área de intervenção foram transformados para atender a novos usos de lazer e ainda preservar a rica história da região. A remodelação deu à região uma imagem mais verde, criou uma comunidade mais coesa e mantida a identidade da área.


A região do Ruhr, na Alemanha era uma vez o centro das indústrias de aço e carvão. Nos últimos 30 anos, essas indústrias pesadas foram maciçamente reestruturadas, causando o abandono de seus edifícios e de muitas operações de mineração de carvão em toda a região. Consequentemente, no Ruhr surgiu um legado de desemprego elevado e as cicatrizes de contaminação ambiental, como as antigas industriais e galpões que marcavam a tipologia da área.

Diante deste abandono e decadência, o Governo da região criou um plano de desenvolvimento regional intitulada “Exposição Internacional de Construção (IBA) em Emscher Park” em 1989. Ao longo de um período de 10 anos, IBA Emscher Park serviu para incentivar a revitalização ecológica, econômica e urbana do Vale do Ruhr e do Rio Emscher através de várias parcerias de colaboração com várias agências e 17 autoridades locais do distrito de Ruhr. Especificamente, os dois principais objetivos do IBA eram dar à região uma imagem mais verde e dar vida às plantas industriais tradicionais. Depois do projeto do IBA,em 1999 aparece um plano de sucessor para promover a revitalização chamado “Projeto Ruhr” assumiu a tarefa de gestão e, atualmente, a série projeto está em sua fase final, concentrando-se na limpeza do rio Emscher. Se tudo correr conforme o planejado, esta série será completa em 2014.

Uma visão crucial para a reconstrução foi o Parque Paisagístico Emscher que atuaria como um “conector verde” entre os assentamentos do Vale do Ruhr, seguindo o caminho do rio Emscher e utilizando as áreas abandonadas ao longo industriais como uma forma única de espaços verdes. Além de conectar as 17 cidades localizadas ao longo do vale do rio, este novo corredor leste-oeste une diversas cidades, mas expandindo alguns cinturões verdes no sentido norte-sul. O parque é composto de campos arbóreos regenerados, florestas recuperadas, áreas de lazer existentes e que, juntos, oferecem um conjunto coeso de infra-estrutura verde para toda a região. Os projetos específicos criaram o sistema de parque, variando entre o desenvolvimento de grandes áreas de terras de plantio e desenvolvimento imobiliario. Hoje, o distrito de Ruhr-Emscher é envolto por uma bela cortina verde que ocasionalmente inclui um marco histórico industrial em pé e presente rodeado por árvores.

O masterplan para a região especificamente orienta o uso das instalações industriais abandonadas, de modo a melhorar a qualidade das áreas subdesenvolvidas em torno delas e movimentar a econômia, fazendo uso da infra-estrutura existente. Um dos galpões mais conhecidos era o da industria da Coca-Cola que hoje abriga em suas estruturas maciças, uma coleção de arte, cultura, habitação, comércio e escritórios. Concertos e shows também acontecem nos quadros de aço das antigas fábricas. Áreas verdes de lazer completa, com trilhas para caminhadas e paredes de escalada, foram esculpidas a partir das colinas antigas de estacas de carvão. Caminhos através clareiras das árvores que ligam os diversos componentes diferentes do parque siguem as estradas antigas industriais e linhas ferroviárias.


 
 
Fonte: Sustainable Cities

2 Respostas para “A revitalização ambiental do Emscher Park – Alemanha

  1. Esse é um belo projeto que deveria servir de exemplo para muitos casos em São Paulo. A Mooca, a Barra-Funda e tantos outros antigos bairros industriais paulistanos, que quando são objeto de projetos, não aproveitam em nada seu passado e sua herança. Substituimos grandes oportunidades por edificios padrão que em nada contribuem para o nosso presente (ou melhor, pro nosso passado no nosso futuro).Me faz pensar numa época em que eu mal era nascido. Na qual Lina Bo Bardi projetava o Sesc Pompéia, obra que talvez serviu de exemplo neste projeto na Alemanha. Ou melhor dizer assim: como transformar um antigo espaço industrial em um espaço cheio de vida e historia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s