Saskia Sassen fala sobre a importância do local para o mundo globalizado – Programa Milênio



Saskia Sassen, holandesa erradicada nos EUA esteve no Rio de Janeiro e falou sobre seus conceitos acerca das engrenagens do mundo contemporâneo e das cidades globais.

Veja em: http://globotv.globo.com/globo-news/milenio/t/programas/v/sociologa-fala-sobre-a-importancia-do-local-para-o-mundo-globalizado/2532073/

“O que uma calça jeans, as peças de um Boeing e o seu celular têm em comum? Todos eles passaram por inúmeros países antes de chegar no mercado-alvo. Fazem parte de uma cadeia de produção que transcende fronteiras, cria dinâmicas próprias e movimenta milhares de navios, aviões e pessoas a cada dia. Assim como no mercado financeiro, os fluxos do comércio internacional parecem funcionar em um tempo quase instantâneo e estão em constante adaptação. Um perpetuum mobile econômico.
À primeira vista, o global parece estar além do nacional. Para o indivíduo fora desses fluxos, o poder das empresas transnacionais e o ritmo quase frenético do mundo globalizado parece estar engolindo as cidades e os países como um tsunami neoliberal. Competitividade, realocação de empregos, migração de mão de obra especializada, tudo parece caminhar para essa força que paira sobre o antigo mapa mundi dividido em fronteiras e estabelece novas relações entre os espaços.
Se olharmos com mais cuidado, porém, acreditar na supremacia e no determinismo da subjugação das nações ao poder global pode ser algo ingênuo. Como lembra a socióloga Saskia Sassen, “o global é feito dentro do nacional.”Para tudo isso existir, governos precisam aprovar os padrões e as regras que vão determinar a importância e a capacidade de determinados locais para lidar com esses movimentos supranacionais. Os motivos e a direção da globalização começam dentro das próprias fronteiras que tentam ultrapassar.
As escolhas que foram feitas para construir essas vias globais hoje, aparentemente, precisam ser repensadas. Milhões de pessoas desalojadas por hipotecas nos Estados Unidos, o custo social da crise do Euro é está cada dia maior – uma rápida busca por Grécia, Itália, Espanha, Portugal e Chipre na internet pode dar uma dimensão do problema –, é como se as regras de exclusão do sistema estivessem sendo redefinidas e o poder ganhasse desdrobamentos mais sutis.” 
por Rodrigo Bodstein

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s